May 19, 2024
×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 43

Manifestação da FUP faz Petrobrás anunciar convênio com a Petros para regularizar direitos dos aposentados

Cerca de 350 petroleiros, mais de dez do Rio Grande do Sul,  participaram na manhã da última sexta-feira, 12, do ato que a FUP e seus sindicatos realizaram em frente à sede da Petrobrás, no Rio de Janeiro, para exigir da Empresa uma definição em relação ao convênio com o INSS e a garantia de todos os direitos dos aposentados e pensionistas. A pressão surtiu efeito. A Gerência de RH recebeu a FUP e uma representação de aposentados e pensionistas dos Sindipetros PR/SC, RS, MG, NF, Unificado-SP e Duque de Caxias para responder às cobranças dos trabalhadores.

A empresa afirmou que tem interesse em retomar o convênio com o INSS e que está tentando resolver os problemas de prestação de contas com o Instituto. A Gerência de RH informou que criou uma comissão especificamente para isso e anunciou que a Petrobrás deverá até o final do mês (30/04) firmar um convênio com a Petros para regularizar a situação dos descontos da AMS e o calendário de pagamento dos benefícios. A FUP cobrou que a empresa oficialize essa informação para todos os trabalhadores, aposentados e pensionistas e que agende uma reunião tripartite - Petrobrás, INSS e a Federação - para dar continuidade à discussão da retomada do antigo convênio. A Gerência de RH se comprometeu a atender as reivindicações da FUP.

O ato convocado pela Federação contou com a participação de petroleiros de diversas regiões do país, que chegaram em caravanas vindas do Rio Grande do Sul, Paraná/Santa Catarina, Minas Gerais, bases do Unificado de São Paulo, Norte Fluminense e Duque de Caxias. Representantes dos sindicatos da Bahia, do Amazonas e do Espírito Santo também participaram da manifestação. O ônibus que trazia 39 aposentados e pensionistas da Bahia teve um problema no caminho e não conseguiu chegar a tempo de participar do ato. Apesar do contratempo, os petroleiros baianos não se deixaram abater e realizaram na parte da tarde uma manifestação da delegação em frente ao Edise, cobrando seus direitos.

O coordenador da FUP, João Antônio de Moraes, ressaltou a importância do ato e lembrou todas as mobilizações pelo restabelecimento do convênio da Petrobrás com o INSS e para pressionar a empresa a resolver os problemas gerados desde que o convênio foi suspenso."A FUP e seus sindicatos não ficam só na retórica e mais uma vez mobilizam a categoria para buscar na luta os seus direitos", declarou.

O diretor da FUP e conselheiro deliberativo da Petros eleito pelos trabalhadores, Paulo César Martin, explicou que o convênio firmado pela Fundação com o INSS no último dia 02 tem validade de cinco anos, mas não tem participação da Petrobrás, como previa o convênio antigo que foi suspenso em fevereiro. O novo convênio garante a concessão de novos empréstimos por parte da Petros e o repasse de contribuições às entidades associativas e, por cobrança da FUP, também estende esses direitos para os atuais e futuros aposentados e pensionistas da Transpetro, que não eram contemplados pelo antigo convênio.  Ele ressaltou que o novo convênio feito pela Petros com o INSS, no entanto, não resolve a questão da AMS, nem a manutenção das datas de pagamento dos benefícios nos mesmos dias que os trabalhadores da ativa recebem.

"A Petrobrás tem que arcar com sua responsabilidade e não aceitaremos que haja qualquer prejuízo aos aposentados e pensionistas, como, por exemplo, a empresa tentar cobrar de uma só vez as contribuições da AMS que não foram descontadas em função da suspensão do antigo convênio", declarou.

Também estiveram presentes ao ato desta sexta-feira os candidatos apoiados pela FUP que disputarão a eleição para as vagas dos trabalhadores nos conselhos da Petros:  Abílio Tozini (RJ) e Vicente Pontes (RN) - titular e suplente para o Conselho Deliberativo; e Deyvid Bacelar (BA) e Fernando Maia (RS) - titular e suplente para o Conselho Fiscal.

Facebook