Aug 10, 2022

Petroleiros do sul protestam contra venda da REGAP

A direção do Sindipetro-RS realizou um grande ato na REFAP na última segunda-feira, 18. A mobilização foi parte do movimento nacional convocado pela FUP e o Sindipetro Minas Gerais, em protesto contra a privatização da Refinaria Gabriel Passos, que está sendo vendida pela Petrobrás a preço de banana e sem qualquer transparência.

Além da mobilização no Rio Grande do Sul, também houve atos contra a venda da Regap em diversas bases da FUP, como a Lubnor, no Ceará, a Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, a Refinaria de Capuava (Recap), em Mauá/SP, a Refinaria Duque de Caxias (Reduc), na Baixada Fluminense, e o ato unificado na própria Regap, em Betim, Minas Gerais.

A presidenta do Sindipetro-RS, Míriam Cabreira, representou o sindicato e a categoria gaúcha no ato em Minas Gerais. “As refinarias são extremamente importantes para manter a Petrobrás integrada e para fazer com que ela possa voltar a servir o povo brasileiro. É por isso que estamos na luta pela Regap, mas também pelas outras refinarias que estão colocadas à venda, como a Refap, Repar e Rnest”, disse.

Miriam-Betim
Betim2
Betim1

Como o ato de Minas estava sendo transmitido virtualmente pelas redes da FUP e dos sindicatos, e seu áudio repercutido no caminhão de som da Refap, a Míriam aproveitou o momento e terminou sua fala puxando palavras de ordem, onde Minas Gerais e o Rio Grande do Sul se uniram em uma só voz: “Petroleiros e Petroleira, Luta e Resistência” e “Defender a Petrobrás, é Defender o Brasil”.

Participaram do ato da REFAP o deputado federal Miguel Rossetto (PT/RS) e a deputada estadual, Sofia Cavedon (PT/RS), além da vereadora de Porto Alegre e pré-candidata a deputada federal, Daiana Santos (PCdoB/RS), entre outras lideranças.

Sofia foi pontual ao lembrar do grande pacote eleitoreiro que o governo aprovou no final do mês de junho que libera aproximadamente 40 bilhões de reais para reduzir, de acordo com o governo, os impactos da crise dos preços dos combustíveis, que eles mesmos criaram. “O governo Bolsonaro produziu e colocou o Brasil no mapa da fome e a política da Petrobrás tem a ver com isso, a política de energia elétrica tem a ver com isso, a política de preços, de juros da dívida tem a ver com isso. É um modelo que prioriza quem vive da bolsa e da especulação. No caso da Petrobrás, superbonifica quem tem ações, onde metade é o governo brasileiro e metade são os acionistas, os grandes donos do dinheiro desse país, em detrimento do poder de compra da população e do desenvolvimento do país”.

Rossetto falou da importância da luta contra a privatização das refinarias da Petrobrás e da soberania nacional. “Esses irresponsáveis destruíram a BR, acabaram com a Liqueigás e jogaram a população nas mãos desses grandes grupos privados que importam, que fazem o que querem com os preços dos combustíveis. Precisamos recuperar uma Petrobrás forte, participando ativamente do desenvolvimento do Brasil e garantindo segurança e soberania energética para o nosso país. E por isso também estamos aqui denunciando esse processo irresponsável de privatização da Eletrobrás”.

Ato-REFAP-16
Ato-REFAP-15
Ato-REFAP-14
Ato-REFAP-12
Ato-REFAP-13
Ato-REFAP-11
Ato-REFAP-9
Ato-REFAP-10
Ato-REFAP-8
Ato-REFAP-6

 

Facebook