Mar 03, 2024

Na primeira reunião do GT, direção da FUP cobra a suspensão do PED 2021 e dos descontos abusivos da AMS

Nesta quarta-feira, 03/05, os representantes da FUP – Federação Única dos Petroleiros participaram, de forma virtual, da primeira reunião do Grupo de Trabalho – GT que tem como objetivo debater o futuro da AMS e da PETROS.

Os Grupos de Trabalho foram propostos pela direção da FUP como desdobramentos das Comissões de Acompanhamento do Acordo Coletivo de Trabalho, de SMS, AMS, entre outras comissões de negociação permanente previstas no atual ACT 2022/2023.

Esta primeira reunião definiu como será o desenvolvimento dos trabalhos do GT. Ficou decidido que as reuniões serão semanais, às quintas, na parte da tarde.

A próxima reunião, dia 11/05, será sobre a AMS e o Saldo Devedor. No dia 18/05, os representantes da FUP e suas assessorias técnicas vão apresentar, para a gestão da Petrobrás e os representantes da Petros, que também fazem parte do GT, suas propostas para o futuro dos planos previdenciários do Sistema Petrobrás e as alternativas de modelagem de planos com o objetivo de eliminar os atuais e futuros equacionamentos dos PPSPs e para evitar possíveis equacionamentos no PP2.

Ainda em relação a PETROS, os representantes da FUP solicitaram informações sobre os possíveis novos passivos dos PPSPs, decorrentes das ações judiciais de revisão de benefícios, que ainda não foram executadas.

As informações seriam simulações quanto o aumento da provisão matemática decorrente dessas ações, que estão em andamento, mas ainda não foram encerradas.

Os representas da FUP também levaram a proposta de suspender o PED 2021 até a conclusão do GT que discute o assunto, proposta que já havia sido apresentada a direção da Petros, numa reunião realizada no dia 04/04, mas que, até o momento, não houve reposta.

O diretores da Federação também questionaram os representantes da empresa pelo não reconhecimento da COVID como doença adquirida no trabalho.

A direção da FUP cobra desde o início da pandemia, que os gestores da empresa e suas Subsidiárias reconheçam que esses esses casos sejam reconhecidos como doenças de trabalho e aguarda as informações das CATs já solicitadas no GT.

Esse GT discute um novo índice para correção da tabela do Grande Risco da AMS, substituindo o VCMH e a exclusão dos custos de tratamentos de doenças e acidentes de trabalho do nosso plano de saúde, mas que, até agora, também não foram fornecidas.

Somente na Bacia de Campos, durante a Pandemia, houve mais de 10 mil desembarques, entre trabalhadores próprios e terceirizados, contaminados pelo COVID

Para agilizar essa discussão foi definido que esses assuntos serão tratados, a partir de agora, no GT AMS / PETROS, encerrando o GT anterior que já havia realizado 9 reuniões sobre esses dois assuntos.

Os representantes da FUP também voltaram a cobrar a suspensão dos descontos abusivos da AMS, até a conclusão dos trabalhos do GT / AMS. Essa proposta já havia sido cobrada numa reunião extraordinária da Comissão da AMS, quando os representantes da FUP na Comissão proporam um aditivo ao atual ACT 2022/2023, para garantir essa suspensão.

Na próxima reunião do GT AMS / PETROS, dia 11/05, quinta, 14 horas, os representantes da FUP voltarão a cobrar essa suspensão, bem como, a suspensão do PED 2021 do PPSP-R.

FUP

Facebook