Jan 30, 2023

Conselho Deliberativo da FUP estabelece prazo até o dia 12 para a empresa apresentar uma proposta de PLR que contemple a categoria e greve a partir do dia 20, se não houver avanços. Assembleias começam dia 13

Não bastasse a enrolação e o pouco caso da Petrobrás com as reivindicações da categoria em relação
à PLR, a empresa torna a provocar os trabalhadores ao convocar uma reunião para segunda-feira, 09,
onde já anuncia que não apresentará uma nova proposta. Ou seja, um desrespeito absurdo à decisão da
categoria que rejeitou massivamente as propostas de quitação da PLR 2011 e de regramento das PLRs
futuras.
Diante do desrespeito e da provocação da Petrobrás, o Conselho Deliberativo da FUP, reunido na quinta-
feira (05), indicou a realização de uma grande mobilização nacional nesta segunda, para pressionar
a empresa e demonstrar a indignação da categoria. As mobilizações se estenderão ao longo da
semana, até o dia 12, prazo estabelecido pelo Conselho para que a Petrobrás se posicione em relação
à contraproposta aprovada pelos Sindicatos (veja matéria abaixo). Caso não haja avanços por parte da
empresa, o indicativo é de greve por tempo indeterminado, a partir do dia 20. Os trabalhadores avaliarão
os indicativos nas assembleias que começam dia 13 e prosseguem até o dia 19.
Nesta segunda-feira (09), portanto, vamos deixar clara a insatisfação dos petroleiros com a forma como a
Petrobrás tem se posicionado em relação à PLR. Mais do que provocação, é um desrespeito com todos
os trabalhadores a empresa agendar uma reunião vazia, pra inglês ver, onde de antemão já informa
que não será apresentada nova proposta. A resposta da categoria deverá ser dada na luta, de forma
veemente, nas mobilizações organizadas pelos sindicatos.
Petrobrás não tem proposta, mas os trabalhadores têm
O desrespeito da Petrobrás em relação à PLR 2011 já começou nas demonstrações financeiras, onde
reduziu em 7,8% o provisionamento da PLR dos trabalhadores e elevou em 2,3% o montante dos
dividendos dos acionistas, comparativamente ao exercício de 2010.
Os sindicatos, reunidos no Conselho Deliberativo da FUP, aprovaram por unanimidade uma proposta que
cobra que a Petrobrás estenda aos trabalhadores o mesmo tratamento dado aos acionistas. Ou seja, que
eleve o proposta da PLR na mesma proporção que aumentou o montante dos dividendos. Se a empresa
não tem proposta, os trabalhadores têm. A categoria não aceita ser tratada de forma desigual e cobrará
na luta o devido respeito e a valorização dos trabalhadores, que são os verdadeiros responsáveis pelos
excelentes resultados obtidos pela Petrobrás.

Não bastasse a enrolação e o pouco caso da Petrobrás com as reivindicações da categoria em relação
à PLR, a empresa torna a provocar os trabalhadores ao convocar uma reunião para segunda-feira, 09,
onde já anuncia que não apresentará uma nova proposta. Ou seja, um desrespeito absurdo à decisão da
categoria que rejeitou massivamente as propostas de quitação da PLR 2011 e de regramento das PLRs
futuras.

Diante do desrespeito e da provocação da Petrobrás, o Conselho Deliberativo da FUP, reunido na quinta-
feira (05), indicou a realização de uma grande mobilização nacional nesta segunda, para pressionar
a empresa e demonstrar a indignação da categoria. As mobilizações se estenderão ao longo da
semana, até o dia 12, prazo estabelecido pelo Conselho para que a Petrobrás se posicione em relação
à contraproposta aprovada pelos Sindicatos (veja matéria abaixo). Caso não haja avanços por parte da
empresa, o indicativo é de greve por tempo indeterminado, a partir do dia 20. Os trabalhadores avaliarão
os indicativos nas assembleias que começam dia 13 e prosseguem até o dia 19.

Nesta segunda-feira (09), portanto, vamos deixar clara a insatisfação dos petroleiros com a forma como a
Petrobrás tem se posicionado em relação à PLR. Mais do que provocação, é um desrespeito com todos
os trabalhadores a empresa agendar uma reunião vazia, pra inglês ver, onde de antemão já informa
que não será apresentada nova proposta. A resposta da categoria deverá ser dada na luta, de forma
veemente, nas mobilizações organizadas pelos sindicatos.

Petrobrás não tem proposta, mas os trabalhadores têm

O desrespeito da Petrobrás em relação à PLR 2011 já começou nas demonstrações financeiras, onde
reduziu em 7,8% o provisionamento da PLR dos trabalhadores e elevou em 2,3% o montante dos
dividendos dos acionistas, comparativamente ao exercício de 2010.

Os sindicatos, reunidos no Conselho Deliberativo da FUP, aprovaram por unanimidade uma proposta que
cobra que a Petrobrás estenda aos trabalhadores o mesmo tratamento dado aos acionistas. Ou seja, que
eleve o proposta da PLR na mesma proporção que aumentou o montante dos dividendos. Se a empresa
não tem proposta, os trabalhadores têm. A categoria não aceita ser tratada de forma desigual e cobrará
na luta o devido respeito e a valorização dos trabalhadores, que são os verdadeiros responsáveis pelos
excelentes resultados obtidos pela Petrobrás.

Facebook